domingo, 29 de setembro de 2013

PUNIÇÕES SEVERAS ÀS BESTAS HUMANAS

É preciso que as  pessoas parem com essas manifestações torpes de condescendência com os graves erros humanos.  É frequente  a gente comentar atos imperdoáveis de sujeitos ou grupos e ouvir de nossos  interlocutores: "O ser humano é assim mesmo, é da própria natureza da espécie."  Concordo, sim, em número, gênero e grau, que a humanidade é, ao menos em sua maior parte,  cruel e sórdida, mas isto não dá a fulano ou beltrano o direito a sair por aí praticando perversidades, quer a outros humanos, quer a animais. Já que nossos semelhantes são maus, mas têm a faculdade do raciocínio e entendimento pleno das coisas, precisam ser contidos, punidos e tolhidos para a segurança, o bem-estar e a integridade das outras criaturas.  Porque, do contrário, vamos no mínimo cair na filosofica malufiana do "estupra mas não mata", teremos de tolerar os crimes praticados pelos bandidos e começar a absolvê-los com a argumentação de que a natureza humana é assim mesmo e o meliante não terá feito mais do que exercer os seus instintos naturais.  Você acha que isto está certo?
Os animais são absolutamente perdoáveis porque não têm discernimento suficiente para terem moral ou princípios, e são puros e inocentes como bebês.  Já as pessoas, não: precisam responder por seus atos, por meio de sanções da dimensão dos seus pecados. Não é olho por olho, não, porque não estou propondo morte para quem mata, mas professo que o Brasil deva experimentar a prisão perpétua para aqueles de evidente periculosidade, que mantêm sob constante risco as outras pessoas e mesmo ( por que não?) os bichos.  
Há indivíduos que não podem viver em sociedade, que são um grande risco para todas as criaturas, e não excluo deste grupo os iníquos delinquentes do trânsito.  A manutenção destes em insituições penais (cujo sistema logicamente requer profundas reformas) importa na segurança e na defesa da intergridade física de muitos outros e da integridade psicológica de inúmeras famílias.
A severidade penal dever-se-ia aplicar também aos menores de dezoito, porque, se um rapaz de dezesseis anos é homem para escolher o presidente da República, em nenhuma análise pode ser criança para responder por seus erros e crimes. Não há nada mais cínico e sujo do que essa invenção da putrefata classe política, de maioridade eleitoral em contraposição à menoridade penal.
Defendo sanções duras para quem promove maus tratos ou morte a humanos ou a animais (e por que não?), pois o direito a viver se aplica a todas as espécies, e, justamente pelo fato de muito provavelmente  a vida ser única, esta deve ser respeitada como o que há de mais irrefutavelmente sagrado.

Barão da Mata

sábado, 28 de setembro de 2013

O MAIS IMPORTANTE CABO ELEITORAL DA DILMA

Depois de ver e ouvir, através da NSA, até os banheiros e o barulho de todas as descargas de vasos sanitários do mundo, Obama, ao mexer com Dilma, deu a "O Fantástico" a chance que precisava de dar especial relevo ao caso e tornou-a ao mesmo tempo mártir e heroína do Brasil, proporcionando à presidente resgatar os índices de popularidade anteriormente perdidos.  Definitivamente o presidente americano odeia nosso país.

Barão da Mata

DEPOIMENTOS SOBRE "SÃO" LULA

Barão da Mata

"TUDO O QUE SE QUER", COM EMÍLIO SANTIAGO E VERÔNICA SABINO"

"TUDO O QUE SE QUER" é uma versão que deu vida a uma bela poesia agraciada pelas vozes de Verônica Sabin e principalmente Emíio Santiago, um dos reis da voz deste Brasil tão cheio de Arte.

'MANINHA", CANÇÃO QUE CHICO BUARQUE DEVERIA ESTAR REGRAVANDO

"MANINHA" é uma entre as inúmeras canções-protesto de Chico Buarque e joga o foco sobre a transfiguração do cenário nacional com ao advento da ditatura militar, numa linguagem metafórica  de um poema extremamente bonito, musicado num belo arranjo e interpretado pelos irmãos Chico e Miúcha de um modo expressivo e tocante.  
O mesmo Chico Buarque, que tanto se bateu contra o regime dos generais, deveria hoje preparar uma regravação deste sucesso, porque a meu ver estamos na iminência de um novo período autoritário.  Já até vivemos fora de um clima com ares de democracia (porque democracia de verdade o Brasil nunca viu), e isto ficou patente com a decisão do STF sobre os mensaleiros, além de com a ausência de mudança no âmbito da saúde, da educação, da segurança, da educação, do emprego, pontos tão ardente e insistentemente reivindicados nas manifestações de ruas; mas ignorados pelas autoridades, que colocaram seus jagunços no meio das multidões com a resposta do Estado: espancamento.
Só me faço, neste contexto, duas perguntas: se o PT, numa reviravolta surpreendente, imprevista e praticamente impossível, perder as próximas eleições presidenciais, vai aceitar o resultado ou manter nas mãos o poder à força, passando a governar dentro do despotismo esclarecido.  E Chico Buarque?  Se o golpe acontecer, por derrota  eleitoral ou por intolerância aos protestos, continuará apoiando Lula, Dilma e o PT?  Por que motivo?  Simpatia pessoal por tais celebridades políticas, parlamentares e militantes do partido?  Não acho justo nem válido, porque sempre gostei de um modo pessoal do  ex-governador Leonel Brizola até a sua morte, pelo seu passado de fibra e coragem, mas deixei de lhe dar o voto e o insignificane apoio de anônimo desde 1990, quando o gaúcho se aproximou do Collor (sem,entretanto, vale dizer, vender-lhe a bancada do PDT no Congresso).  Da mesma maneira como agora exalto a obra e a genialidade do cantor e compositor sem todavia louvar a sua pessoa, que vejo com olhos bem diversos dos com que vejo sua criação, limitando-me a admirar-lhe o talento, não a pessoa.

Barão da Mata

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

PIZZARIA PÁTRIA AMADA

O telefone toca no estabelecimento comercial.
- Alô! Pizzaria Pátria Amada, boa noite!
- Boa noite.  Você tem pizza à calabresa?
- Essa não temos.
- Não?
- Mas temos uma variedade por aqui.
- Por exemplo?
- Temos a pizza à Geníno, serve?
- À Genoíno...?
- Temos também à Dirceu.
- À Dirceu...?
- É... essa há decênios sai muito.
- Teria outra?
- À Paulo Cunha: serve?
- Hmmmm...
- Temos também à Delúbio!
- Delúbio...?
- Temos muitas pizzas aqui.  Aliás, sempre temos pizzas, com variados nomes.
- São boas?
- Se são! Tem uns militantes de um partido por aqui que gostam muito de todas elas.  Brigam, berram, protestam e ficam cheios de manha quando elas custam a sair.
- Então são boas mesmo?
- São deliciosas! De um paladar supremo!
- Quanto custa uma delas?
- Vou ser sincero.  Acaba saindo caro. Só umazinha acaba pesando muito no bolso do público.  São todas  muito procuradas; mas é difícil achá-las, porque saem rapidinho, rapidinho... Vou ser ainda mais franco. Todas as pizzas de que falei são muito indigestas: o público sai passando mal, enjoado, triste,  mas, como falei, os militantes do partido que tem aqui perto gostam muito, muito mesmo. Aliás!  Na verdade, uma outra parte do público gosta muito delas também, principalmente quando vêm acompanhadas de lula.  Meu senhor! É um frenesi!  E olha que esses últimos não têm a menor indigestão.  
- Então vou expermimentar uma delas.  O senhor entrega no domicílio?
- Ah! Me desculpe, senhor...! Mas elas estão muito fora do alcance das mãos! Ninguém consegue pegá-las e lacrá-las!  Como disse ao senhor, a saída é muito grande.  Em outras palavras: aqui produzimos muitas pizzas, mas embrulhá-las, lacrá-las e entregá-las é impossível.  Quem sabe num futuro distante consguimos atender-lhe a contento, mas por ora peço desculpas de novo e lhe desejo uma boa noite.

Barão da Mata

MAIS UMA HISTÓRIA GOZADINHA DA POLÍTICA DO BRASIL

Contei esta quando este blog estava nos seus primeiros dias, mas acho-a digna de ser repetida. 
O Sebastião Nery, uns quinze ou mais anos atrás, foi ao programa do Jô soares e contou que o Jânio, quando voltou do exílio, foi convidado a almoçar na casa de um desafeto que com o gesto  do convite  promovia um desagravo entre os dois e tentava reatar a amizade.  Acontece que, como se sabe, o ex-presidente bebia muito, e naquele dia  derramava na goela copos e copos de uísque, e nada de o almoça ficar pronto.  Ao que parece, o anfitrião, que também bebia (não sei o quanto),  ficou um tanto alterado pelo álcool e,  já sem pretender tanto ficar novamente amigo do ex-prefeito, lhe fez a pergunta fatídica:
- Jânio, já que estamos entre amigos, conta uma coisa prá gente.
- Sim.
- Afinal de contas, por que você renuniou?
Criou-se aquele mal-estar! A comitiva de aduladores que acompanhava Jânio começou a entrar naquela do deixa-disso, e o provocado não titubeou:
- Tu queres saber? Responder-te-ei! 
Os apaziaguadores insistiram, mas o político já tinha perdido as estribeiras:
- Não! Deixem! - dirigiu-se novamente ao que perguntara: - Tu queres saber? Responder-te-ei.
Mais uma tentativa de atenuar os ânimos, e Jânio tornou:
- É que no Alvorada a comida era uma merda igual à que servem na tua casa! - e saiu batendo pé, tendo atrás de si a sua legião de bajuladores.

Barão da Mata

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

sábado, 21 de setembro de 2013

DEU NO ESTADÃO / MSN.COM

Governo põe estagiária em reunião de espionagem

Apesar de prometer forte ação sobre tema, Brasil vira espectador em encontro da ONU

 

Apesar de ter anunciado uma forte ação internacional contra a espionagem dos EUA, o governo brasileiro enviou para a reunião da cúpula de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) que discutiria justamente esse tema ontem, em Genebra, uma diplomata de baixo escalão que acabou substituída, durante o dia, por uma estagiária.
O Brasil chegou a patrocinar a convocação do encontro, ao lado de Alemanha e países escandinavos. Mas nas duas horas de reunião a delegação brasileira não pediu a palavra uma só vez e a estagiária se limitou a tomar nota do que dizia cada um dos participantes. Enquanto isso, a embaixadora do Brasil na ONU, Maria Nazareth Farani Azevedo, promovia um almoço para sua despedida do cargo.
A presidente Dilma Rousseff promete usar seu discurso na Assembleia-Geral da ONU na semana que vem para levantar o assunto. Ontem, porém, ONGs e diplomatas de vários países se surpreenderam diante do silêncio do governo do Brasil.

Na reunião, diplomatas discutiram o caso brasileiro, em que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) é suspeita de monitorar e-mails da própria presidente, além de dados sigilosos da Petrobrás. O encontro contou com a alta comissária Navi Pillay e o relator da ONU para Liberdade de Expressão, Frank La Rue. Na plenária lotada, embaixadores de diversos países, inclusive dos EUA e do Reino Unido.

Ficou acertado que a ONU deverá convocar ainda neste ano uma sessão especial do Conselho de Direitos Humanos para debater de novo o tema. A meta é que uma resolução seja apresentada para esclarecer qual a posição do direito internacional em relação à espionagem.

Navi Pillay deixou claro que governos precisam agir para proteger a privacidade e as atuais leis não estão garantindo essa proteção. "A tecnologia permitiu níveis sem precedentes de interferência no direito à privacidade." Sua principal preocupação é com a arbitrariedade na busca por informações de cidadãos. Ela ainda se disse "preocupada" com o fato de que argumentos de segurança nacional possam justificar "abusos".

La Rue propôs que a ONU crie um relator que ficará responsável por redigir princípios que deveriam ser seguidos por países, na forma de um tratado internacional. "A regra é simples: toda a lei (de espionagem) que existe no mundo offline deve ser válida para o mundo online. Se para abrir uma carta no correio alguém precisa de uma ordem judicial, isso também deve ocorrer na internet", disse.
O relator da ONU para Liberdade de Expressão admitiu que governos precisam se ocupar de assuntos de segurança nacional. "Mas o que estamos falando aqui é de um sistema de monitoramento que coloca em risco o próprio sistema democrático. A falta de privacidade limita a liberdade de expressão."

Mais de dez países tomaram a palavra para expor suas posições, desde Equador a Paquistão, Suíça a Montenegro.

Entidades. No encontro, 250 entidades da sociedade civil, várias delas brasileiras, apresentaram 13 princípios que governos deveriam seguir no que se refere à espionagem e ao controle da web. O documento pede que governos sejam transparentes sobre o uso de monitoramento da web, ajam dentro da lei, respeitem direitos individuais e atuem com proporcionalidade.

Abaixo, segue o link para a notícia:

Governo põe estagiária em reunião de espionagem

POR UNA CABEZA - PERFUME DE MULHER


Buenos Aires é uma cidade repleta de artistas se apresentando nas ruas. Dependendo do bairro e do dia da semana, podemos encontrar uma performance em cada esquina. Assim, seguindo com um dos propósitos desta birosca, que é divulgar arte e cultura, trazemos no vídeo abaixo um trecho de "Por uma Cabeza", interpretada por Oscar no restaurante Estilo Criollo, situado no charmoso bairro de Palermo Soho. 
 
Para quem não se recorda da canção, é o mesmo tango que embalou a cena de dança de Al Pacino, que por sua vez consagrou o filme Perfume de Mulher.
 
Desculpem pela qualidade da imagem, mas aqui o que vale mesmo é o áudio. E aguardem, logo vem mais por aí !
 
 
 
 
 
 
 
 

IMPASSES NA CAMA

- Anda logo, amor, tira a roupa!
- Tô tirando, querido! Calma! Também tô cheia de vontade! Pronto! Já tirei!
- Vai, amor, vai, faz aquela posição do gatinho caçando...
- Ah, amor...  O gatinho caçando, não...
- Vai, faz, essa posição me dá  um prazer animal...
- Ah, mas já tem duas semanas que a gente só faz o gatinho-caçando...
- Custa você fazer mais uma vez?
- Ah, custa... tô cansada do gatinho-cansado...
- Como você é egoísta, hem?  Só pensa em você.
- Não, senhor, você é que só pensa em você!  Minha mãe sempre me disse isso e é verdade. Eu devia tê-la ouvido e não me casado com você.
- Será que até aqui a sua mãe tem que se meter?
- Ela sempre me disse que você parece perverso, e pelo visto tem razão!
- Tá bom, tá bom! Não estamos aqui pra brigar.  Pega o livro das posições.
- Tá bom, vou pegar: tá bem na gaveta do criado-mudo.
- Então, pega,  meu amor!
- Ih, não tá! Onde foi parar?
- Não é possível!
- Será que a Faustina pegou, levou pra casa sem me avisar?
- Mas que empregada abusada!  É melhor demitir ela amanhã assim que  chegar.
- Vou procurar na estante...
- Na estante??!  E a estante é lugar de guardar esse livro? E se as crianças veem?
- De qualquer modo vou ver se tá lá.
- Vai logo, volta logo.
- Ih! Não tá!
- Mas que sacanagem! Perder logo um livro desses...!!
- Ah, amor, então vamos resolver nós dois.  Vou pôr a roupa de normalista.
- Ah, não! Normalista, não!
- Por que não?! Gosto tanto dela!
- Tá bom, tá bom! Vou me fantasiar também.  Vou colocar a roupa de caubói.
- Ah, não! Caubói, não!
- Mas por quê?
- Você fica machucando minha cintura com o coldre. Fico toda arranhada.
- Ah, não! Eu deixei você se vestrir de normalista.
- Puxa, como você é dominador!  Quer mandar em tudo!
- Você que parece que tem o prazer de não fazer o que eu quero.
- Tá bom.  Então eu tiro a normalista. Escolhe outra fantasia pra mim. Mas você não usa a de caubói: você é muito americanizado.   - Tá. Então põe aquela de freira.
- Ah, que idéia maravilhosa!
- Põe logo a fantasia, minha potranquinha!
- Pronto, já coloquei.  Vem, amor.
- Ã-ã! Primeiro põe uma fantasia.
- Vou me vestir de peão.
- Mas por favor, não sobe na cama de botas.
- Tá, eu concordo.
- Vestiu?
- Vesti. Você também, né?
- Então vamos lá! Tô doidinha!
- Peraí! E a posição?
- Tá bom, escolhe você.
- Vamos fazer a posição obama.
- Obama??!!  Ah, não!
- Ué, mas por quê?
- Ah, não! Você fica me olhando e ouvindo todinha, fico constrangida.
- Mas eu sou teu marido.
- Mas não me sinto bem.  Se tiver barulho de gases dentro da barriga, fico sem graça, e você colocando o olhão em tudo que é lugar... ah, não! Só descontraio pra isso quando bebo.
- Então bebe um vinho. Eu abro um que tá lá...
- Mas eu tomei um ansiolítico.
- Que droga!
- Não se irrite, ora!!!  Não disse que você é americanizado?!
- Ai, puxa vida!
- O que você quer que eu faça?
- Só faltava essa... Viu como nessas horas o livro faz falta?
- A culpa não é minha, vou perguntar amanhã à Faustina...
- Então escolhe você a posição.
- Escolho a cachorrinho-cansado.
- Não, essa já fizemos na semana passada.
- Então o maratonista.
- Essa me cansa demais.
- Mas como você é enjoado!
- Enjoada é você.  Cheia de não-me-toques, nunca concorda com nada.
- Se é assim, vai lá: escolhe outra posição.
- A cavalgada, tá bom?
- Ah, essa tá!
- De acordo?
- De pleníssimo acordo! Então vamos lá?
- Claro que sim, vamos, potranquinha!
Toc, toc, toc!
- Bateram na porta?
Toc, toc, toc!
- Bateram.
- Quem é?
- Mãããe, sou eu, Juninho...!  Tô com medo de dormir no meu quarto...!

Barão da Mata

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

O BRASIL DESPOJADO DA ESPERANÇA

O Brasil perdeu a esperança. Havia uma esperança de que a real e genuína punição aos mensaleiros seria o prenúncio de um tempo novo em que haveria justiça, justiça autêntica e genuína, justiça verdadeira, justiça à altura da expressão. Justiça perante a qual todos seriam iguais, que faria que  ricos, políticos, poderosos também respondessem pelos seus atos ilícitos. Mas a esperança morreu.  Morreu e deixou um clima de luto.  De ressaca cívica  não de festejo, mas de desolação.  O País agora sepulta suas esperanças, se vê abatido, lasso, com fundas de desânimo.
De que valeu a luta e o sacrifício dos que se levantaram contra a ditadura militar, dos que foram torturados nos porões, dos que encontram a morte? De que adiantou tanto derramamento de sangue, tantos direitos políticos perdidos, tantas marcas indeléveis no corpo e na alma dos que se rebelaram.
A luta desaguou em Collor, decepção maior do povo, em Fernando Henrique, apóstata de práticas servis aos caprichos perversos do capital, em Lula, PT, Dilma e a base aliada repleta de nomes afeitos às mesmas práticas ímprobas que guerrilheiros tanto combateram.   De que adiantou? Nada mudou. As práticas são as mesmas, a corrupção é a mesma, o desprezo às mazelas sociais que se mascaram por meio de bolsas pífias, a ditadura dos poderosos, donos do Estado, tão autocráticas quanto o despotismo esclarecido, se traveste de democracia e, diante da credulidade de uma grossa camada de gente sem poder de discernimento, segue um caminho de continuísmo de um sistema inaugurado com o estupro às liberdades promovido em 1964.
Pobre Brasil, tão ao léu e tão desprovido de esperanças.

Barão da Mata

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

MOMENTOS GOZADINHOS DA POLÍTICA DO BRASIL

Em 1989, na disputa pela presidência da República, vencida por Collor de Mello, quando a candidatura deste começou a dar sinais de que balançaria, José Sarney, presidente na época, em pleno meio da disputa, lançou o Sílvio Santos para tumultuar o quadro e o seu real candidato, Collor, voltar a crescer a partir de ofensas desferidas a ele próprio (Sarney) no horário eleitoral.  É quando o Brizola, ao final de um debate, apela ao público para que não vote em nenhum dos dois concorrentes (Collor e Sílvio Santos), definindo-os com uma expressão pejorativa e dizendo que, caso não quisessem votar nele, Brizola, sufragassem então algum outro nome entre os que disputavam, proferindo que havia gente honesta entre aqueles e ainda se valendo do ensejo para verter algumas lágrimas de crocodilo.  É quando o Maluf sentencia: "Vota no Brizola senão ele chora!"


O Maluf, por sua vez, na mesma campanha, anteriormente deu uma mancada federal. Indagado a falar sobre crimes e estupros com morte, disse categoricamente: "É o tal caso: tá com apetite sexual, estupra, mas não mata." Segundo um amigo meu, ali o político mostrou que era um progressista.


Esta é para quem viu "O Bem Amado", novela cujo papel central (Odorico Paraguassu, um político demagogo) era interpretado por Paulo Gracindo. 
Getúlio Vargas, no período do Estado Novo, mandara prender Paulo Figueiredo, seu ferrenho inimigo político e pai do presidente militar João Figueiredo, que em 1982 apoiou Moreira Franco para o governo do Rio contra Leonel Brizola e, num evento em que reuniu o público na Quinta da Boa Vista, afirmou que naquele momento o próprio pai e Getúlio Vargas estavam no Céu, abraçados, também apoiando Moreira.  Foi quando a turba não resisitiu e começou a bradar: "Odorico! Odorico!"  Dizem que o homem ficou uma fera.


Contam também que no mesmo ano, concorrendo contra Jânio Quadros e Franco Montoro ao governo de São Paulo, Lula foi perguntado acerca de se era marxista-leninista.  Ao que nosso "herói" respondeu: "Não fei de nada difo: fó entendo de greve."  Pelo visto, se por aquela ocasião se elegesse,  seu primeiro ato seria promover uma paralisação de governadores por melhores salários, deixando os estados acéfalos e sem cúpula.


Mais uma do Brizola.  Quando o Brasil implantou o pluripartidarismo, o golpista político e banqueiro Magalhães Pinto, após todos as agremiações se registrarem, sugeriu que se deveria acabar com os partidos. Instado a opinar sobre a proposta de Magalhães, respondeu: "Ele me lembra uma criança que vai a uma festa e vê que cada outra criança pega um balão e, não tendo ele próprio conseguido pegar o seu, fica querendo estourar o balão dos outros."


Outra do político gaúcho é que aplicava muitas metáforas envolvendo animais para ilustrar seus pareceres políticos.  Esquerdista apócrifo, sempre atacava no entanto a direita e, numa daquelas ocasiões, foi retrucado por uma parlamentar que fora considerada de esquerda  e depois aderira à direita.  Não titubeou Brizola e veio com a tréplica: "A galinha corre do galo... corre, corre... até o momento em que se acomoda." 

Barão da Mata 

MEUS SENHORES, EU NÃO SOU DIGNO DE COMENTAR DECISÕES DO STF

Leitores, quem sou eu, mero autodidata, para comentar decisões da mais alta Corte do País, composta por homens  doutos em Direito e de tão inquestionável sabedoria e tão insofismável conhecimento jurídico? E digo-o confessando meu profundo remorso por haver opinado anteriormente sobre os embargos infrigentes opostos pelos ilustres advogados dos réus do processo 470, referente ao chamado mensalão, numa atitude (de minha parte) extremamente pretensiosa e insana.  Não só assumo o meu arrependimento, como ainda contesto veementemente a frase atribuída a Ulisses Guimarães, de que cadeia teria sido feita tão somente para três P's: preto, pobre e ... a terceira palavra, já corado, jamais eu ousaria proferir.

Barão da Mata


UMA PASSAGEM INTERESSANTE NA HISTÓRIA DO PASSADO POLÍTICO DO BRASIL ( ou 'A SABEDORIA DE SALOMÃO É FICHINHA PERTO DA DE LEONEL BRIZOLA")

Leonel Brizola, político gaúcho polêmico e marcante pela sua história rica de fatos de todas as naturezas, entre estas algumas de fibra e outras de pura jocosidade.  Odiado e temido pelos militares, que temiam que uma suposta investidura sua na presidência da República trouxesse, a exemplo de Raul Alfonsín, da Argentina,  a reboque investigações e punições por conta dos crimes praticados pela ditadura, o político sempre teve muito tato quando era instado a opinar sobre qualquer questão que dissesse respeito às forças armadas.
Aconteceu no entanto que em 1989, quando Brizola concorria à presidência da República, que este foi indagado sobre o que pensava de o governo Sarney haver punido com prisão um general que fizera críticas severas ao governo.  Ao que o ex-governador respondeu de pronto:
- Certas questões são como fogueira de São João: é melhor pular. 

Barão da Mata

TURISMO PELA AMÉRICA DO SUL


Nas duas últimas semanas, este que vos escreve esteve rodando por alguns locais da América do Sul, mais precisamente, cidades de Argentina e Chile. Não se preocupem, não farei deste espaço um blog de turismo. Ainda assim, ao longo dos próximos dias, compartilharei com vocês algumas impressões, recordações históricas e descobertas que acredito estarem em consonância com o tipo de conteúdo que gostamos de veicular no site.
Nesta  primeira postagem, direi sobre 11 de setembro. Muito lembrada no mundo por culpa dos terríveis atentados sofridos pelos EUA no ano de 2001, esta data tem um significado próprio para nossos vizinhos de continente. 
Isto porque foi num dia 11 de setembro, do ano de 1973, que ocorreu, no Chile, o golpe de Estado que derrubou o governo socialista do presidente Salvador Allende, que acabou por se suicidar no mesmo dia, no Palácio de la Moneda, impedindo que fosse capturado pelos golpistas, chefiados pelo então recém nomeado Comandante Chefe Militar, General Auguste Pinochet.
Naquela altura, o Chile era um dos únicos 03 países da América do Sul que se podia designar como um Estado Democrático de Direito (Colômbia e Venezuela eram os outros dois). Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Peru e Equador já viviam em regime de exceção. A ditadura brasileira já durava desde 1964.
Pinochet, que até o golpe então era reconhecido como um militar leal e apolítico, e homem de confiança de Allende, permaneceu à frente do governo chileno por 17 anos, até entregar o cargo de presidente em 1990, ao ser derrotado nas eleições pelo democrata-cristão Patrick Aylwin.
Por conta desses acontecimentos, o Chile encontra-se, neste momento, em plena semana de feriados pátrios. Mas o que cabe destacar, é que pude constatar pela TV, em alguns momentos vagos, que as menções relativas a estes fatos não se resumem aos chilenos. Pude assistir a chefes de Estado de outros países vizinhos, como a Venezuela, repercutindo em discursos próprios, acerca dos festejos, e mesmo do referido golpe ocorrido em setembro de 73.  
Abaixo, segue um link de um artigo do wikipedia, sobre a biografia de Salvador Allende que traz a versão mais conhecida para o golpe de Estado, e apresenta ricas referências bibliográficas.
Para descontrair um pouco, uma fotografia da bela e imponente Cordilheira dos Andes, registrada no percurso entre as cidades Mendoza, na Argentina, e a capital do Chile, Santiago.

Leônidas Falcão
   

domingo, 15 de setembro de 2013

MAIS DOS GRANDES FESTIVAIS: ROBERTO CARLOS, JAIR RODRIGUES, CHICO BUARQUE, TOM JOBIM, ELIS REGINA, EDU LOBO



O MINISTRO CELSO DE MELLO, SE QUISER, FICARÁ BASTANTE CONFORTÁVEL PARA REJEITAR OS EMBARGOS

O ministro Celso de Mello votou pelo cabimento e julgamento dos embargos infringentes doss réus do mensalão, e isto, segundo se noticia, poderá  levar à redução e ao abrandamento das penas a serem cumpridas pelos mensaleiros. Declara ainda que não está subordinado às ruas, mas à Constituição.  O interessante, no entanto, é que o mesmo ministro, entre 1996 e 1998, quando foi presidente do TST, afirmou em entrevista que "um juiz não tem de ser escravo da lei".   Penso, portanto, que, neste momento, em que tanto se clama por Justiça, por uma questão de coerência, S.Excia. ficaria muito à vontade para ouvir, sim, a voz das ruas, da mídia, dos contribuintes, dos artistas, dos sapateiros, dos pedreiros, dos escriturários, dos funcionários públicos, dos metalúrgicos, dos bancários, etc, etc...de vários segmentos da sociedade, da maioria gritante e absoluta do público e não ser tão rigidamente apegado à letra da lei, para rejeitar os embargos.  Se assim agir, não cometerá nenhuma aberração jurídica, suponho, porque metade do seu Colegiado pensa diferente do decano, o que o respalda perfeitamente para manter como está a condenação de cada político julgado.
Se as penas forem atenuadas da forma como se supõe, com  a adoção  de punições alternativas,  como prestação de serviços à comunidade, eu sugiro a todos aqueles que saíram de suas casas para reivindicar direitos e melhor tratamento por parte do Estado, que fiquem em suas casas ou se dediquem mais ao futebol, às novelas, à programação mais fútil da tevê, e se alienem de uma vez por todas, porque não vale a pena ficar se misturando a vândalos, delinquentes e provocadores, ser qualificado como um deles e apanhar da polícia, se o Estado insiste em se manter surdo aos anseios da sociedade e, no frigir dos ovos, detém  o aparato policial, as armas, as cadeias e o poder de sanção sobre os cidadãos.  Será mais um momento em que  presenciaremos uma mostra desse permanente processo de africanização social e política  do Brasil, onde o Estado é autocrático e a voz ou o senso de justiça da população não é levada em consideração.

Barão da Mata

sábado, 14 de setembro de 2013

NOSSOS ESCLARECIMENTOS AOS LEITORES E A QUALQUER EVENTUAL AUTORIDADE QUE ACASO VENHA A NOS ABORDAR

Para que fique bem entendido, nós, de "Os Pensadores de Birosca", não defendemos luta armada, arruaças, vandalismos, violências ou sabotagens a governos, quer no âmbito nacional, municipal ou federal.  Apenas temos consciência de que somos uma sociedade tripudiada pelos políticos e nos manifestamos como podemos contra este estado de coisas, além de professamos que os segmentos da sociedade, ou a sociedade como um todo, devem se manifestar sempre, de modo ordeiro, pacífico e com objetivo que não seja o de protestar por protestar. 
Se a mensagem de "Caminhando" passa, apesar de o compositgtor negar, a impressão de pregar enfrentamento, não defenderíamos luta armada em nenhuma hipótese.  Se muito abordamos temas como regimes duros aqui no Brasil, sob a influência dos Estados Unidos ou não, é justamente para que a sociedade fique alerta, já que nosso país alterna períodos de liberdade com de tirania, e há muito fomos ensinados de que o passado esquecido tende a se repetir.
Quanto aos temas que possam que pareçam desgradáveis a  fanáticos religiosos ou políticos, ocasionais olheiros americanos com  o senso de realidade perdido ou gente ligada ao poder no nível em que seja, temos a dizer que continuaremos a publicar tudo o que acharmos que devamos e seja a nossos olhos plausível.  Porque a histórica do Brasil, como a MPB e a história da própria humanidade, é tão rica de episódios bons ou ruins, que não podemos deixar de mencionar o que é ou venha a ser de nosso conhecimento, recusando-nos a ficar limitados a falar dos grupos de tentativa de rock desqualificados e dos submúsicos de outros gêneros e das novelas e programações de rádio e tevê de igual natureza.

Barão da Mata

ENTREVISTA DE GERALDO VANDRÉ `A "GLOBO NEWS"


sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O MINISTRO GUIDO MAGOO


Só ele não vê que a coisa aqui tá preta

VEJA O AGENTE FRANCÊS QUE A NSA CONTRATOU PARA INVESTIGAR NOSSO BLOG


VEJAM COMO OS AMERICANOS GOSTAM DO NOSSO BLOG


LEIAM AS ESTATÍSTICAS E VEJAM COMO OS AMERICANOS GOSTAM DO NOSSO BLOG: 2757 VISUALIZAÇÕES ENTRE 03.09.2012 E 14.09.2013

Os Pensadores de Birosca  ·  Estatísticas  ›  Público
maio de 2007 – setembro de 2013Atualizar estatísticasAgoraDiaSemanaMêsTudo
Opções do Blogger
Nova postagem
 Visão geral
 Postagens
 Páginas
 Comentários
 Google+
 Estatísticas
Visão geral
Postagens
Origens de tráfego
Público
 Ganhos
 Layout
 Modelo
 Configurações
Visualizações de página por país
Gráfico dos países mais populares entre os visualizadores do blog
Entrada Visualizações de página
Brasil
7957
Estados Unidos
2757
Rússia
554
Alemanha
536
Portugal
359
Argentina
62
Ucrânia
53
Espanha
37
Reino Unido
36
França
23
Visualizações de página por navegador
Entrada Visualizações de página
Chrome
4584 (35%)
Firefox
3789 (29%)
Internet Explorer
3714 (28%)
Opera
339 (2%)
Safari
290 (2%)
Mobile Safari
166 (1%)
UniversalFeedParser
35 (<1%)
chromeframe
25 (<1%)
NokiaBrowser
9 (<1%)
BingPreview
6 (<1%)
Imagem que mostra os navegadores mais populares
Visualizações de página por sistema operacional
Entrada Visualizações de página
Windows
10948 (85%)
Linux
874 (6%)
Macintosh
470 (3%)
Android
281 (2%)
iPad
63 (<1%)
iPhone
61 (<1%)
Motorola
41 (<1%)
Other Unix
39 (<1%)
Windows NT 6.1
27 (<1%)
Symbian/3
8 (<1%)
Imagem que mostra as plataformas mais populares
Reportar problemas


SÓ O AMOR CONSTRÓI? PERGUNTE AO WANDERLEY E AO VANDRÉ.

Em plenos anos de chumbo, a ditadura fazendo um estrago dos diabos, vem o Wanderley Cardoso e grava "Só o Amor Constrói", que tinha trechos como "...por favor, plante uma flor pra florir nosso país: quem destrói a paz, não será jamais, irmão, feliz..."  Já que o bonito era falar em flor,  chegou o Geraldo Vandré e gravou "Pra Não Dizer que Não Falei das Flores (Caminhando)", que tinha uma mensagem bem diversa e que focalizava com realismo aquele momento do Brasil. Lamentável que aquilo lhe valeu punição, privações, exílio e uma penúria que marcaram profundamente o artista profissional e emocionalmente.  

Compare as duas músicas e veja a ironia de Vandré se contrapondo à água-com-açúcar surreal de Wanderley.



Olhe, este artigo vai emputecer muito os americanos e os saudosistas dos anos de horror.

Barão da Mata

OS ENTREVEROS DOS GRANDES FESTIVAIS (A COISA PEGAVA FOGO!)

Não posso dizer que vivi aqueles bons tempos dos festivais da Record. Eu tinha ente oito e doze anos. Nem gostava ainda de música.  Perdi aqueles concursos entre trabalhos musicais de primeiríssima categoria e toda aquela efervescência e envolvimento, quer de forma positiva ou negativa, entre público e concorrentes. Pena não ter presenciado momentos como este, em que Sérgio Ricardo perde a paciência com o público e radicaliza.

Caetano Veloso também briga com o público e solta o verbo.



Barão da Mata

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

NÓS LANÇAMOS NOSSO CANDIDATO À ELEIÇÃO PRESIDENCIAL DE 2014

Nós, "Os Pensadores de Birosca",  não vamos ficar equidistantes da campanha presidencial de 2014 e aqui apresentamos o nosso candidato, pois ele tem o perfil exato de um político ou mandatário brasileiro.


FÉLIX CÚRI PRESIDENTE


Barão da Mata

FERNANDO HENRIQUE NA ACADEMIA. E AGORA?

Fernando Henrique agora é membro da Academia Brasileira de Letras.  Não cremos que haja injustiça na eleição.  Entretanto, temos uma dúvida: se, em 1994, candidato à Presidência da República, rompeu com todas as suas ideias e escritos socialistas e disse para esquecermos tudo o que escrevera, é para esquecermos também tudo o que vier a escrever a partir de agora?

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

O MENSALÃO E O LULA EM 2018

O STF acabou de julgar os embargos de declaração dos réus do mensalão.  Existe uma quase unanimidade em se estranhar como poderia até  as torcidas do Flamengo e Coríntians saberem tudo o que ocorria e só o Lula  não ter a menor idéia do que acontecia debaixo das prórpias barbas.  Acredito que o ex-presidente não soubesse realmente de nada, como estou plenamente convicto de que justamente por isto é um homem absolutamente despreparado para governar.  Portanto, depois do segundo mandato da Dilma (que vai se reeleger mesmo), não votem nele de jeito nenhum!

Barão da Mata


domingo, 8 de setembro de 2013

OBTENHA JÁ NA NSA!

Será que sua mulher o trai? Seus amigos são amigos de verdade? Seus colegas de trabalho estão conspirando contra você? Seu chefe está instisfeito com seu trabalho? Desconfianças, intuições, suposições, apreensões, recurso  a oráculos...Não, nada disso!  Tudo isso está ultrapassado! Vá hoje mesmo às Lojas NSA e compre os equipamentos de espionagem Obama, os mais avançados e mais usados no mundo inteiro. 

Barão da Mata  

A CONVERSA ENTRE DILMA E OBAMA

Você já tentou imaginar como foi a conversa entre a presidente  Dilma e o Obama?
- Obama, o negócio  é o seguinte: eu quero que você explique que história é essa de você ficar me espionando!
O americano se ajeita na cadeira, baixa a cabeça com indiferença
- Ora, colega, primeiro eu quero que você reduza  o tom de voz pra falar comigo.
- Tá bom, eu reduzo.  Mas de qualquer modo exijo uma explicação.
- São assuntos de Estado, motivos confidenciais, não lhe dizem respeito...
 A presidente se ergue da cadeira num quase-pulo:
- Como não me dizem respieto, se sou eu a espionada!!!
- Psssssiuuuu.! - ele volta a advertir.- Olhe o tom de voz...
A estadista pigarreia, se contém,  torna, agora branda:
- Eu sei, eu entendo, mas a questão é que está envolvendo a minha pessoa. Acho que tenho direito a uma explicação.  Você entende? Concorda comigo?
- Por favor - o homem, sempre impassível - não quebremos o protocolo: trate-me por Vossa Excelência. 
- Tá bom, me desculpe de novo.  V.Excia. entende o meu interesse e a minha preocupação?
Ele,  sem a olhar no rosto, quase  a ignorá-la:
- Olhe, V.Excia. vai me desculpar, mas não tenho tempo para discutir o assunto: afinal sou muito atarefado, tenho uma Síria para invadir e preciso de apoio da ONU e do Congresso.
A presidente faz menção de se lavantar novamente, ele a contém num gesto de mão. Ela volta a se sentar e tem a voz quase suplicante:
- Mas, Exclência, convenha que não é justo...
Obama, sempre calmo e indiferente:
- Deixe-me abreviar a conversa, Exma. colega: quantas ogivas nucleares a senhora tem?
- Bem...
- Quantos mísseis antinucelares?
- Ora...
- Quantos abrigos?.
- Ah...
- Quantos porta-aviões?
- Olhe...
- V.Excia. já ouviu falar do bloqueio comercial a Cuba e dos efeitos que ele gerou?
- Presidente, pondere...
- Imagine um bloqueio comercial ao seu país...
- Não, não quero nem imaginar...
- ... de modo a torná-lo ingovernável...
- T'esconjuro!
- ... e de tirar seu partido do poder...
- Por favor, pare, Excelência!!
- Então,  minha senhora, tenha uma boa tarde... Até mais ver.
- Mas o senhor disse que não quebraríamos o protocolo e nos trataríamos por Excelência.
- Ah, sim! Perdoe-me, Excelência: foi um lapso: não mais se repetirá. 
- Não tem de quê. Muito obrigado, senhor presidente. Vossa Excelência é muito educado.
- Muito obrigado, senhora presidente. V.Excia. é muito lisonjeira. Uma ótima tarde. Até mais ver.
- Igualmente, Excia. Tudo de bom pro senhor.

Barão da Mata




sábado, 7 de setembro de 2013

EU SEI QUE VOU TE AMAR - TOM JOBIM E MÍLTON NASCIMENTO JUNTOS


Não é nem preciso comentar.  É só assistir e se alumbrar.

ESCLARECEMOS POR QUE SOMOS PENSADORES DE BIROSCA

Nós nos denominamos Pensadores de Birosca não porque de algum modo sejamos inconsequentes, irresponsáveis ou idiotas (como nem tampouco achamos que tais características sejam inerentes aos frequentadores de bares como nós), mas porque é um nome despretensioso e descontraído, da mesma forma como não queremos arrogar a condição de pensadores propriamente ditos ou de analistas ou especialistas do que quer que seja.  O título nos dá a liberdade que companheiros de botequim têm em abordar os temas que bem lhes venham à cabeça, sem preciosismos e sem medo de soltar o pensamento.

A GLOBO É A REEDIÇÃO DA IGREJA DE ONTEM E ODEIA DEMOCRACIA

Não há nada que a Globo mais odeie do que uma atmosfera democrática.  Falo atmosfera democrática porque não creio que em país nenhum do mundo "o poder emane do povo e em nome dele seja exercido". Para atestar a verdade do que digo,  mande mesmo o povo suíço colocar os maiores interesses e o poder dos mandatários em xeque.  Para que tudo fique aliás bem claro, NÃO CREIO EM DEMOCRACIA NO SENTIDO DE NÃO GOSTAR OU ACHAR QUE NÃO SEJA BOA,  MAS NO DE SABER QUE OS GOVERNOS DO MUNDO INTEIRO NÃO TÊM A DISPOSIÇÃO DE MANTÊ-LA QUANDO ELA COLOCA SOB RISCO OS PONTOS DE QUE ELES NÃO ABREM MÃO.   E você sabe perfeitamente que isto é a pura verdade, porque, quando por exemplo alguns governos europeus resolveram apoiar o bestial e demoníaco George W.Bush na empreitada de invadir o Iraque, e parte de seus cidadãos (europeus) fizeram manifestções contrárias, os jagunços fardados do poder (militares e policiais), desceram a porrada no lombo dos manifestantes, sem a menor contemplação.  
Se assim é na Europa, imagine no Brasil, onde o revezamento entre democracia e tirania é cíclico.  Se você duvida, é só pesquisar e ver que Getúlio Vargas fez a Revolução de 1930, governou respeitando direitos civis durante  sete anos e criou a seguir  o despótico e pavoroso Estado Novo, caindo em 1945 para o país experimentar um período de liberdade de 19 anos.  Mas liberdade relativa, com duas intervenções militares: a que tentava impedir a posse de Juscelino Kubitscheck  em 1956 e a que tirou os poderes de João Goulart em 1961. Até, após Jango obter poder de governar após plebiscito, acontecer o golpe de 1964 e os poderosos do  país, latinoamericanos como os de Cuba, Colômbia e Haiti, mostrarem sua feição  autoritária e tratarem a sociedade na ponta da faca durante 20 anos, quando permitem a eleição de um civil, Tancredo Neves,  dentro das regras estabelecidas pelas forças armadas.
Como podemos constatar, o Brasil alterna períodos de quase-democracia com regimes totalitários, e, assim como Assis Chateaubriant e o seu "Diários Associados", que apoiou o Estado Novo de Vargas e ajudou Carlos Lacerda a levá-lo ao suicídio quando o mandatário governava dentro do estado de direito ( e só apoiou Lacerda porque viu que o presidente já estava politicamente morto), assim como Assis Chateaubriant, a Globo parece que tem uma simpatia desmedida pelos regimes  capitalistas opressores, e isto é fácil entender:  dá-se justamente porque são (os regimes) capitalistas (e rechaçam o mais leve pensamento progressista) e mantêm incólume todo o patrimônio e fortuna da famíla global. Além do mais, a Globo está para os governos asssim como a Igreja ao longo da Antiguidade à Idade Moderna para o reis: "Eu legitimo o teu poder te dizendo governo de Deus, e tu me manténs poderoso como tu." POR FAVOR, CATÓLICOS! NÃO CREIO EM DEUS, MAS NÃO ESTOU ATACANDO A IGREJA DE HOJE!  Mas só este conchavo explica os anos de adulação das emissoras e jornais da rede a todos os presidentes que o Brasil teve, enquanto, é lógico, estes não caíram em desgraça, como Collor,  eleito por aquelas entidades e por elas mesmas abandonado e de um certo modo até combatido em sua derrocada política de 1992.  Ou seja, a Globo o elegou e depois engrossou o coro de quem o queria ver pelas costas, por conta de sua gestão haver feito água: do contrário, tê-lo-ia apoiado.
Se há alguma dúvida da veracidade das coisas que eu disse, vamos fazer um breve exame da questão: por que os globais, em 2002, tentaram conter o crescimento da candidatura Lula, a ponto de o ex-presidente (ex mesmo?),  na série de entrevistas aos presidenciáveis promovida pelo canal de tevê, ter recebido de William Bonner a pergunta-disparo: "O senhor é membro das FARC?".  Depois do raquítico apoio do governo FH ao correligionário José Serra e de sentir o rumo dos ventos levando Lula à vitória,  mudou imediatamente o tratamento e, depois de se convencer de que o amado (não por mim) ex-futuro-atual-presidente faria um governo tão socialista quanto o pensamento de Roberto Campos e Delfim Neto, passou a apoiá-lo sitematicamente, havendo se colocaddo entre os opositores do PT quando, nas eleições presidenciais de 2010, a candidatura de Dilma caiu a ponto de permitir a ida de Serra ao segundo turno, estampar na primeira página do "Extra": "Lula é bonito".  Num claro deboche  às reclamações do nosso "herói", que se queixava de que as organizações  faziam campanha contra ele e sua pupila.  Mal-sucedida em derrubar a candidata do PT, o sistema de comunicação resolveu encher a presidente de beijos e abraços, e assim faz até hoje. Hoje mesmo, dia 7 de setembro de 2013, quando, noticiando os distúrbios entre manifestantes e a polícia durante os desfiles miilitares, o repórter do globocop disse que alguns manifestantes, quando fugiam às porradas e bombas de gás lacrimogêneo da refinada  tropa de choque da PM do democrático e popular Sérgio Cabral, "aproximaram-se dos que assistam à parada, numa atitude covarde e que submetia a platéia a riscos".  "Atitude covarde", veja só!  Nunca ouviu  acaso o nosso nobre repórter  falar em instinto de preservação, autodefesa, essas coisas fictícias a que a Psicologia insiste em fazer referências?
O restante da mídia realmente não  é um poço de virtudes, mas a Globo exagera, não gosta definitivamente de clima democrático e nem tampouco da verdadeira informação,  porque faz questão de ser uma luz distorcida na escuridão,  com o fito de conduzir o país ao encontro dos seus interesses e conveniências.  Daí precisar desgastar a imagem dos manifestantes, transformá-los em arruceiros e confundi-los com os vândalos, os delinquentes e os provocadores.  Porque faz-se mister, para ela, que o poder público tome medidas duras, que abafe a democracia, que apague o que há de pensamento, de visão, de oposição a tudo o que os globais preservam.  Não quer o desgaste de Dilma, porque ela mantém o status quo que a favorece (à Globo), e necessita de que a presidente rescrudesça,  para ajudá-los nessa empresa de nutrir a versão contemporânea do antigo conluio Igreja-Estado.

Barão da Mata

terça-feira, 3 de setembro de 2013

CANÇÃO DE UM PREFEITO CORRUPTO (COISA ALIÁS RARÍSSIMA NESTE PAÍS)

O prefeito corrupto,  personagem aliás absolutamente fictício, porque não creio na hipótese de existir no Brasil... Mas vamos lá: o inexistente prefeito corrupto, parado a observar um logradouro de fora de sua jurisdição, cantaria "SE ESSA RUA FOSSE MINHA" com a seguinte letra:


Se essa rua, se essa rua fosse minha,
Eu mandava, eu mandava esburacar,
Faturava uma fortuna de propina,
Pois mandava a empresa superfaturar.

Essa rua, essa rua tem um poste
Que eu deitava, que eu deitava bem no chão,
Pr'erguer outro contratava um construtor
Que me desse uma grana bem na mão.

Se roubei nesta  vida um dinheirão,
Inda é pouco, pois no fundo o povo é zen.
Inda quero, inda quero muitas obras,
Pra deixar minha gente muito bem.

Barão da Mata

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

FELIZ ANIVERSÁRIO PENSADORES DE BIROSCA


HOJE, COMPLETA UM ANO DE EXISTÊNCIA O BLOG "OS PENSADORES DE BIROSCA"! A coisa foi indo bem e num instante chegamos até vocês! Criamos nossas postagens com muita descontração e improviso, mas sempre pensando em trazer algo relevante para quem está observando aí do outro lado. 

Todavia, gostaria de dedicar este dia ao meu parceiro nesta empreitada e idealizador persistente deste espaço... o grande Barão da Mata, poeta, cronista, contista e agora compositor, que a cada dia vem aprimorando talentos como um garoto em pleno desenvolvimento.

Certo de que estamos além de minhas primeiras expectativas, digo hoje que, com certeza, poderemos ir bem mais adiante, pois é um grande prazer escrever em colaboração consigo, meu caro Barão!

Vida longa aos Pensadores!

RÁDIO BESTEIROL - QUE SEJA AMOR


Lá vem Elias Neira, o romântico locutor da Rádio Besteirol com o mais mela cueca programa do rádio brasileiro: "Que seja amor". Elias não tem dúvidas de que o mundo precisa de mais amor para ser melhor.Com uma rosa na mão, seu charme de dançarino de tango e sua voz de galã (de pornochanchada), ele vai conquistar você.

Que seja amor, amigos...Que seja amor!







domingo, 1 de setembro de 2013

A CADELINHA DO HOMEM


Não é nenhum conto erótico minha gente! Não se lembram do post "O homem e a cadelinha doente" em que Barão da Mata trouxe aos frequentadores desta birosca uma bela história real? Uma história de solidariedade e sobrevivência que se transformaram em amor e amizade. Se perderam, encontrem a narrativa no link abaixo.

http://www.pensadoresdebirosca.blogspot.com.br/2013/08/o-homem-e-cadelinha-doente.html

Quando encontrou seu salvador, a cadelinha estava magra, doente de sarna, pneumonia e não enxergava por ter os olhos tomados por secreção. Sem saber, estava caminhando para o meio da estrada, mas ao invés de uma morte trágica, encontrou Ernesto Colli e uma chance de renascer.

Pois bem, apresentamos a vocês Chica, a cadelinha benta, como um milagre possível, que cada um disposto a adotar um animal pode realizar.




Bem vinda, Chica. Este blog é seu também.

LUCIANA

Deitaram-se na cama e Luciana lhe ofereceu os lábios ávidos.  Vestido curto, leve, solto, quase transparente,  preto com estampa de pontos brancos.  Guilherme ergueu o corpo da mulher e a sentou no colo, como fora ela um achado raro e precioso, um diamante, uma esmeralda, o bem maior do mundo inteiro.
Sabia que a moça era de se dar com facilidade, que tinha vários amantes e que jamais lhe entregaria a alma tão liberta e aventureira.  Sabia também que a não queria para si, pra todo o sempre ou alguns anos. Mas naquele momento a amava como o mais extremoso enamorado, como o mais possessivo dos machos existentes.  Porque a desejava... como a desejava! Ah, como a desejava!  Queria tanto desfrutar aquele corpo esguio e pálido, as pernas magras e roliças que há  tanto cobiçava, sentia tanto prazer em tê-la na cama, que o ardor parecia amor, entrega, sentimento fundo, suplicante e desvanecido.
No dia seguinte talvez Luciana fosse de outro, mas isto não importava ao homem, que era tão ávido e sôfrego,  que achava que o tempo não passaria, que aquele momento se eternizaria; que não tinha ciúmes, mas só desejo: um desejo de longo tempo, um desejo que não tinha medidas, um fogo que lhe abrasava o corpo inteirinho.
Levantou-lhe o vestido, deitou-a na cama, arrebatou-lhe a calcinha de renda e por pouco não lhe rasgou o escuro vestido.  Beijou-lhe a boca longamente inúmeras vezes,  sugou-lhe os seios, a língua, os lábios, a vulva e as nádegas, cheirou a mulher por inteiro: cada  milímetro do corpo e cada cavidade, e toda cavidade do corpo de fêmea, candente, adentrou.
Amanhã quem sabe outro a ela faria tudo o que ele agora fazia, mas pouco a Guilherme importava: hoje a mulher era dele; dele somente, e era na essência a mais pura magia: ninfa, deusa, valquíria, sereia, feminino demônio ou outra entidade, mas algo que em definitivo ao homem enlouquecia.
O  casal gemia, arfava, gozava, fremia, e tê-la consigo num ballet tão frenético,  entre frases tão quentes, obscenas palavras, lascivas carícias, era para Guilherme a conquista maior, a chegada ao paraíso, e este sequer se lembrava de algo que houvesse além do desejo, delírio, deleite, prazer inefável, esquecido mundo, da vida, do ontem, do dia vindouro, que havia amanhã.

Barão da Mata