domingo, 30 de agosto de 2015

O DOIDO

O homem de terno, tronco aprumado e postura elegante adentrou o trem do metrô na estação Carioca, viu que o vagão estava cheio, mas percebeu que um sujeito, refestadelado ,ocupava  dois lugares na longarina.  
Aproximou-se do outro e solcititou:
- Dê licença, por favor!
O outro o encarou com firmeza:
- Não dô licença, não!
- Como? - o de pé  se sentiu injuriado.
- É isso mesmo! Não dou licença, não?
- Quem o senhor pensa que é? - insistiu o de terno.
- Muito mais do que você imagina.
- O senhor sabe com quem está falando? - o de terno já se exasperava.
- E o senhor sabe com quem fala? - retorquiu o que estava escarrapachado.
- Não tenho a menor ideia.
- Pois é!  Então saiba que eu sou o Rei da Cocada Preta! A Cocada Preta! Isso mesmo! Sou Rei da Cocada Preta!
- Mas que absurdo!
- Absurdo nada! O Reino da Cocada Preta é o país mais próspero da América Latina!
- Ora, meu senhor - foi-se afastando o homem das elegantes vestes - o senhor é louco! Vou para longe de sua vista para evitar causar-lhe algum prejuízo. Não tem ideia de quanto mal eu lhe poderia causar.
Depois, já distante, ficou a murmurar consigo mesmo:
- Rei da Cocada Preta... Que absurdo!  Um homem com aspecto de pobre e tão mal trajado! Louco, só pode ser louco.  - pensou durante alguns segundos e voltou a sussurrar para si: - Vou enviar uma mensagem de "whatsapp" a Josephine contando o que acabei de decidir. Esse homem é só um pobre diabo e um louco, mas deu-me o pretexto de que precisava  para invadir o Reino da Cocada Preta, antes mesmo de me juntar ao meu exércio em Waterloo.

Barão da Mata

sábado, 29 de agosto de 2015

TÁ MESMO FEIA A COISA... E NÓS, PRECISANDO DE PROTEÇÃO URGENTE




Dilma, entregando unidades do "Minha Casa, Minha Vida"  no Ceará, disse que não admite retrocesso nem nos  "avanços sociais", nem no que se refere à "democracia".   Quando soube do discurso, senti logo um frio na espinha, porque, se você recorrer ao NOVO (OU MUITO VELHO) DICIONÁRIO DO PT,  verá:
RETROCESSO. s.masc. PT fora do poder
DEMOCRACIA s.fem. PT  no poder
Indo às expressões idiomáticas, descobrimos:
NÃO ADMITIR .  Não sair de jeito nenhum; botar a militância e os sem-terra nas ruas; dar golpe
AVANÇO SOCIAL.  Toda e qualquer obra ou falácia dos governos do PT
S.Excia. afirmou também que o país vai superar a crise... Se for no seu governo, só se a crise for existencial.  Trazei-nos os psicoterapeutas de plantão! Mais:  determinou que quem está contra o seu governo é a maioira que torce pelo pior.  Cacete! Revolucionou a matemática, mudou o valor dos número e fez os 93% que a rejeitamos ser minoria, além de nos transformar em antribrasileiros radicais.  Seríamos autodestrutivos, suicidas, autoincendiários? Trazei-nos camisas-de-força, urgente!!!!  
Para piorar, Lula fez discurso em MG, como sempre um discurso furioso, brandindo muito os punhos. Mais parecia que convocava exércitos para uma guerra sangrenta.  Não sei por que tenho me preocupado tanto com os discursos em que o Lula brande os punhos e mais parece convocar a militância e os sem-terra pr'uma guerra fratricida http://leonardosarmento.jusbrasil.com.br/artigos/169909745/discurso-de-lula-na-abi-assusta-o-exercito-vermelho-pronto-para-apunhalar-o-estado-democratico-de-direito  , se afinal são grupos tão pacíficos, não é..?   Venha-me socorrer , Dr. Freud!  Devo estar com a mesma paranoia do Chico Mendes quando cismou que iam assassiná-lo.  Será que me assusto quando ele fala "eles" por encontrar, recorrendo novamente ao dicionário dessa turma:
ELES. pron.pessoal.c.reto. 1-Todos e quaisquer brasileiros que não são petistas. 2-Infiéis.3-Desgraçados, infames, odiosos. 4-Alvos em caso de "impeachment" da Dilma ou embaraço judicial do Lula.
Não sei se o que mais me preocupou foi o tom ameaçador de sempre ou ele ter dito que, " se for necessário", vai-se  candidatar em 2018.  Minha Nossa Senhora dos Aflitos!!! Não se amofine, não, "querido"...  Não concorra, não, "prezado"... Descanse, fique em paz... pelo amor de Deus!!! É o nosso messias oferecendo o sangue por nós, brasileiros.  Cada povo tem o Messias que merece.  Puta que pariu!  Se o Lula é o nosso messias, nós tamos muito fodidos mesmo! Muito mais do que imaginamos!  Se ele é o salvador da Pátria, imgine o destruidor!
Onde está o Ministério Público, que não se pronunciou em nenhum dos momentos em que os petistas desferiram ameaças à população? Não viram nem ouviram os Exmos. Srs. Procuradores quando o Vagner Freitas disse que entrincheirar-se-ia e pegaria em armas  para defender o governo Dilma?  Não estão vendo as coisas que o ex-presidente e seus asseclas andam dizendo?  Não é possível que permaneçamos, durante toda esta  crise , sob as constantes ameaças petistas.  Ou seria acaso o Brasil um Estado de Direito só de faz-de-conta?  É preciso que se coloque essa gente no seu lugar.  Se porventura houver um processo de "impeachment" contra a presidente, não haverá nenhum golpe ou nada de antidemocrático nisto, porque está previsto na Constituição e será uma iniciativa das instituições democráticas com amplo respaldo da população, que no momento nada deseja tanto quanto o impedimento da mandatária. 


CONCEITO DE DEMOCRACIA: O poder emana do PT, dos políticos e autoridades que sustentam a Dilma e em nome deles é exercido. Eu disse alguma besteira? É possível, mas, se levarmos em conta que 93% da população não queremos a presidente no governo, se alguns analistas dizem que já há elementos para iniciar um processo de "impeachment", e o PGR, o STF e o Congresso não veem motivo para afastá-la, só posso chegar a uma conclusão: se o Brasil é um país democrático, eu sou o próprio Clístenes (pai da Democracia na Grécia Antiga).


Barão da Mata

domingo, 23 de agosto de 2015

DESMITIFICAÇÃO À FIGURA DE CHICO BUARQUE


As pessoas têm uma necessidade incontinente de aumentar as dimensões de fatos ocorridos em relação a pessoas de renome.  Exemplo disto são os mitos criados em torno de Chico Buarque de Hollanda, esse mesmo Chico Buarque que no passado compôs tantas músicas de protesto contra a ditadura miltar e hoje presta seu apoio a um governo e um partido rejeitados por  93 % da população nacional - apesar de todos os erros e desmandos cometidos neste últimos 12 anos, em que o PT esteve e está com o timão do país nas mãos.
Tenho o maior respeito pela pessoa e uma admiração simplesmente desmedida pelo  Chico Buarque compositor, escritor, teatrólogo,  poeta,  pela maestria e genialidade como aborda em seus trabalhos o cotidiano e o trivial, pela entonação poética que empresta a narrativas de fatos e situações mais corriqueiros, pela sua invejável capacidade de versejar, pela inacreditável diversidade de sua temática e abordagem de todos os temas existentes, sua criatividade e seu  talento em compor e cantar inúmeros ritmos (samba, ritmos nordestinos, operetas, valsa, samba- canção, tango entre outros), sua genialidade como criador, homem de letras e músico.   Por outro lado, contudo, sinto-me na obrigação de desfazer o mito que as gerações passadas criaram em torno de sua imagem.
O homem que dizem ter sido preso e exilado por enferentar a ditadura não é exatamente a figura que os criadores de heróis produziram.  Diz a lenda que, por protestar contra o regime militar, foi preso e exilado. A história não é bem assim, e ele próprio corrobora minha versão em entrevistas nos vários DVDs que gravou, sob a direção de Roberto de Oliveira e patrocínio de algumas empresas brasileiras.  A peça "Calabar" foi simplesmente proibida.  Sua criação foi muitas vezes prejudicada, vetada e tolhida pelos censores da ditadura.  Os riscos a que expôs a própria integridade física não são fictícios - embora não fosse comum colocar artistas famosos no rol de mortos e desaparecidos do regime.  Mas as circunstâncias que o colocam no período de 1967 e 1971 fora do Brasil são bem diversas das tão propaladas por aqui.
Numa das apresentaçõs de " Roda Viva", no Teatro Ruth Escobar, em São Paulo, o CCC (Comando de Caça aos Comunistas) invadiu a sala e espancou os atores, dentre os quais estavam Marília Pera, Marieta Severo, Antônio Pedro... talvez por algum equívoco, segundo próprio compositor.   No mesmo prédio, em outra sala de teatro, levavam uma peça em que um ator que fazia um militar simulava evacuar no próprio capacete.  No dia em que invadiram o prédio, esta peça de protesto não estava sendo apresentada, mas "Roda Viva", sim.  Dias depois Chico foi detido e interrogado por um coronel que afirmou que "Roda Viva" era uma peça política, ai que o artista retorquiu que tratava-se de uma história sobre os bastidores do mundo artístico. Quando o oficial falou da cena do soldado.  Não respondeu Chico para não comprometer o diretor, José Celso Martinez, achando que este modificara o enredo.  Entretanto reafirmou que a obra não tratava mais do que do lado pouco visível do mundo das artes.  Foi liberado no mesmo dia, sob o alerta de não se afastar da cidade sem a autorização do coronel.  Autorização esta pedida e obtida pouco tempo depois, para que o compositor fosse a Roma, de onde só voltou 3 ou 4 anos depois.
Não há aqui, como se vê, um caso como o de Geraldo Vandré, de Gilberto Gil e Caetano Veloso, todos exilados, tendo o primeiro perdido o emprego que tinha na extinta SUNAB por sua composição "Pra Não Dizer que Não Falei das Flores (Caminhando)" e passou por tantas agruras que voltou ao Brasil nos idos da abertura democrática de 1979 negando o sentido de sua canção.
Nada disto faz Chico Buarque menos genial do que é (o seu talento é impressionante, está acima das minhas condições de avaliá-lo).    Nem retira do seu histórico implacáveis e ostensivas  perseguições sofridas com o patrocínio da extinta Censura Federal como um todo e especificamente da famosa dona Solange, que vetava por vetar  todo e qualquer  trabalho em que Chico figurasse como autor.  Os reacionários tornavam a menção do seu nome um sacrilégio, e era-lhe difícl compor e gravar por aqui. Tanto que precisou adotar  pseudônimos para poder ter suas músicas liberadas, como por exemplo Julinho da Adelaide.  Nada também reduz a sua importância história dentro da MPB e dentro da própria história artístico-política nacional.  Da mesma forma como é inegável a sua coragem em protestar, porque aqui muitos morriam ou simplesmente desapareciam. Sua coragem está nas próprias composições, muito inteligentemente sutis ou de duplo sentido, sem uma alusão direta aos militares nem a contundência cristalina de Vandré em "Caminhando".  "Apesar de Você" é que é um trabalho bem mais arrojado  e mais incauto, composto também na fase mais aguda da ditadura.
Se Chico é um mito, isto se dá por sua coragem de sempre contrariar os desígnios dos militares, por sua já aludida coragem. Mas não é Pablo Neruda, que se deu à causa política numa atividade obstinada.  Não é Graciliano Ramos, enclausurado num cárcere de Getúlio Vargas (acontecimento que o levou a escrever as "Memórias do Cárcere").  Muito menos Thomas More, que escreveu a "Utopia", ilha fictícia onde as pessoas viviam em condições igualitárias e não havia propiriedade privada, e acabou decapitado poelo despótico Henrique VIII.  Permanece  respeitável, apesar de sua conduta política hoje - decorrente -  será? - de laços emocionais com a sigla petista, já que ele e sua falecida  mãe são fundadores do partido?  Se este é o motivo, aí Chico me decepciona, porque a gente pode crer e defender uma estrutura de qualquer espécie, mas, quando tal estrutura fica muito aquém das nossas expectativas, é perfeitamente cabível o rompimento, pois do contrário nos tornamos sectários irracionais, sob o risco de incidirmos até no fundamentalismo.
E mais: a postura de Chico Buarque o faz um homem totalmente antagônico àquele que por anos e anos combateu a repressão e os desmandos políticos no Brasil.  

Barão da Mata

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

domingo, 9 de agosto de 2015

A SOLUÇÃO PARA OS 71% DE DESAPROVAÇÃO DA DILMA

Nestes dias tensos de baixíssima popularidade que Dilma tem  vivido,  tudo vem sendo feito pra tentar reverter o quadro.   Primeiro chamaram o "milagreiro" João Santana.  O marqueteiro falou, falou, aconselhou, mas não fez subir a aprovação nem um pouco.  Não é à toa que digo que uma possível ditadura petista seria pior do que a militar, porque no tempo do regime o bruxo era o Golbery, tido por todos como gênio do mal, enquanto os pajés maligno  hoje são o citado publicitário de nossa "amada" presidente e o "grande" Lula.  Faz parte do declínio cultural que o país vem vivendo.
Mal-sucedido o mágico do partido, numa reunião com  assessores e aduladores, a sra. Roussef baixou a fronte, levou a mão à testa e  balançou a cabeça pros lados:
- Meu Deus, não sobe de jeito nenhum...
Foi quando o Vagner Freitas, presidente da CUT, que passava no momento e não ouvira direito, tentou dar a sua costumeira puxadinha de saco:
- Ah, Excelência, o Viagra é um excelente remédio...
A mulher virou-se pra ele no mesmo momento, os olhos fuzilantes:
- P####, Vagner, sai daqui!!! Quando não tiver o que falar, não diz m####! Tu sabe do que a gente tá falando?!!! E desde quando tu já viu mulher tomar Viagra?!!!!!
Tempos depois o Lula, o "alquimista", o "mestre dos magos",  entrou em campo, boquirroto, todo senhor de si, utilizando uma metáfora desportiva ligada à sua condição de corintiano:
- Efa pro Curingão é mole... ("efa" é "essa" na língua presa dele)
Não foi.  
- Cacete, Lula! Tu veio pra me ajudar ou pra ajudar a me derrubar?
Recorreu à Globo e às suas celebridades: Ana Maria Braga, Jô Soares... e aos artistas: Chico Buarque, Giblerto Gil, Marieta Severo,e o índice caiu pra 9%.
- Também esses artistas não servem pra p#### nenhuma. - teria comentado a chefe do Executivo num de seus inúmeros momentos de mau-humor.
Num dos encontros de bastidores no Plantalto com o pessoal da Globo, a Cristiana Lobo, puxa-saco de primeria fila, tê-la-ia chamado a um canto e sussurrado, o olhar consternado de compaixão:
- Dilma, minha querida, isso que você tá passando tá parecendo coisa feita.  Eu sofro só de ver teu sofrimento, minha amiga. Eu conheço um pai-de-santo daqui da periferia de Brasília que é tudo de bom, minha filha. Tira encosto, vodu, coisa feita em encruzilhada ou em cemitério, mau-olhado, quebrando, bicho-pé, caminho fechado, pentelho encravado... Ele é bom demais.
Entre rendida e incrédula, a gestora teria tentado argumentar:
- Mas Cristiana, você sabe que eu não creio em nada...
- Ah, amiga! Mas nessas horas a gente tem de recorrer a tudo!
A presidente pensou, pensou.., pensou, deu um estalo de decisão:
Convencida, Dilma teria procurado, em vez do místico indicado,  o Jair de Ogun, este,  jogado os búzios e sentenciado:
- Muito complicado o caso de V.Excia..  Tô vendo os caminhos todos fechados.  - e apontou para uma conchinha: - Por este búzio aqui, o problema é bloqueio mental grave da senhora.
Não contente, recorreu a mulher ao pai Toninho de Xangô, este incorporou uma entidade e deu a solução do problema:
- Hummmmm... Tá tudo ruim com zifia e com a terra grandada que zifia comanda.  Sucê vai fazer o seguinte: zidispacha um ramo de flores brancas com açúcar na encruziada, renunxia de xer mandadora dexa terra zigrandada e exa gente toda vai gostar muito e xer muito agradexida a sucê.
Dilma saiu de lá sem dizer palavra,  foi resmungando pelo caminho:
- Que pai-de-santo que nada! Droga!
Foi quando o Joaquim Levy disse com sua fala meio fricativa: 
- Nexes cajos não xe pode bobear, prejidenta. Xou evangélico e xugiro à senhora que procure um pastor.
Fragilizada e desorientada, a mulher foi logo em busca do "santo mestre" Edyr Macedo - tão acostumado a brigar com o Diabo -,  que juntou quatrocentos outros "santos" pastores e bradou:
- Não adianta, Satanás!!! Você não vai ficar fechando os caminhos dessa filha de Deus!!!!  Não adianta, Satanás!!!!  Eu te repreendo e determino: desencosta agora dessa filha!!!!!!! Em nome de Jesus!!!!!!!  em nome de Jesus!!!!!!!!!!
Sentindo-se aliviada, ainda assim a política, com o fito de reforçar o tratamento, procurou o não menos "santo" Valdemiro Fonseca, que fechou os olhos e vociferou com sua fala rústica:
- Ói, eu tô tendo agora uma revelação muito importante: o Senhor Jesus cochichou aqui no meu ouvido que essa senhora tá livre de todo  o mal da rejeição popular.  Graças a Deus!  Aleluia, Senhor!!!!  - e cobrava da assistência: - Aleluia, cambada, aleluia!!!!!!
E a turba repetia:
- Aleluia!!!!!!!
Ao chegar ao Alvorada,  S. Excia. , exaurida e despenteada, sentou-se a uma poltrona e ouviu na hora o telefone vermelho tocar.  Era o presidente de uma poderosíssima emissora de tevê (cujo nome - vejam só! - esqueci completamente):
- Sou eu, o... Tudo bem?
- Oi!!!!  Tudo bem, meu querido?!!!!!
- Lembra pra mim qual foi o teu último índice de aprovação.
- Puxa, foi humilhante... nove por cento.
- Vou encomendarr uma outra pesquisa e, dependendo da percentagem positiva, mando colocar o algarismo zero à direita, ou seja, se você tiver 9%, sobe pra 90.  Se tiver 10, subo pra 100.  Se houver uma caso mais complicado, como por exemplo 17%, mando inverter pra 71...
- Puxa, muito obrigado....!!!!!!
Uma pequena pausa, a presidente levanta uma dúvida:
- Mas e se a as pessoas não acreditarem, se a oposição encomendar outras pesquisas?
- Minha SEGUNDA medida vai ser tornar você âncora de todos os meus programas jornalísticos, e assim você vai poder formar opinião sobre você mesma e seu governo. A PRIMEIRA vai ser demitir o digitador por erro de digitação. 
Nos dias seguintes, em agradecimento e para assegurar o apoio  divino, Dilma passou a ser frequentadora assídua das missas do padres Marcelo Rossi e a cantar sempre em dueto com o padre Fábio de Melo.


Barão da Mata









sábado, 1 de agosto de 2015

SE DILMA NÃO SOFRER "IMPEACHMENT", PREPAREM-SE: VAI DAR GOLPE! VAMOS SER OUTRA VENEZUELA


                                




Sempre ouvi dizer (concordando plenamente) que o passado, quando esquecido, tende a se repetir.  As sociedades não podem viver sem memória histórica, ou seja: haver nascido após o fim de determinado processo político não desobriga nenhuma população de conhecê-lo, justamente para evitar que  este ressurja.
Nasci em 1958, tinha portanto 6 anos em 1964, mas a pesquisa me fez deduzir que o ensaio pré-golpista do governo Dilma, por assemelhar-se ao daqueles idos, é bastante sintomático.  
Ninguém pode dar um golpe sem respaldo de alguns setores, e os militares e o poder econômico fizeram maciças campanhas na mídia, respaldaram-se no Congresso, na Justiça e em líderes políticos de grande projeção, como Carlos Lacerda, governador do antigo Estado da Guanabara, atual Rio de Janeiro, Magalhães Pinto, governador de Minas, que conduziu tropas até o Rio.  Foi assim criada a grande atmosfera que permitiu a derrubada do então presidente João Goulart: os militares tinham o apoio da mídia, que formou a opinião da população, o da maioria dos congressistas, além do silêncio do Judiciário, que percebeu bem que uma batida de martelo tem bem menos força do que um tiro de canhão.  Foi  justamente um ano depois que nasceu a TV GLOBO. As Organizações só contavam antes com o jornal O GLOBO e a emissora de rádio do mesmo nome e suas afiliadas, entidades já antes alinhadas aos golpistas. A concessão foi um presentaço de Papai Noel dado pela regime.
Neste momento Dilma se respalda no STF, onde ostenta folgada e confortável maioria.  Conta com uma base aliada e um Congresso que, embora hoje rebeldes, são muito sensíveis a agrados e "mimos", como verbas, cargos e coisas  do gênero.   Sabendo disto, já tem ela trabalhado no sentido de conter as insatisfações dos políticos.  Não será difícil obter o apoio da maioria.  Assim, o PMDB (principalmente) pretende mantê-la onde está até o final do mandato, justamente pelas benesses que já recebe e ainda receberá.  Quanto à mídia, o Jô Soares, excelente garoto de recados dos Marinho, foi ao Palácio da Alvorada e deu um programa inteirinho à presidente e à sua defesa, com o fito de resgatar-lhe a aprovação, hoje em minguados 7%.  Depois a mandatária esteve no programa da Ana Maria Braga (Não vi. Será que fritou batatas?).   Não demora e vai estar no Faustão e ainda vai ser comentarista dos jogos de futebol da emissora.  Hoje, quando a Cristiana Lobo se refere a ela, só falta falar "coitadinha" e ainda age como porta-voz do Planalto.  A dúvida que a empresa da política nada versada deixa é: conseguirá com o amparo da Globo recuperar a simpatia popular?  Não sei, mas, se não, eu respondo com uma máxima irônica do falecido mestre Millôr Fernandes: "Opinião pública é aquela que se publica." Precisa mais? Não é necessário sustentação popular: Nicolás Maduro não tem e continua governando com poderes absolutos.
Vou até contar uma "pérola" sobre o ditador venezuelano.  Como este tem sido sempre alvo de protestos e manifestações, baixou uma resolucão que permite às suas forças armadas e polícias atirar em manifestantes para matar: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/206122-venezuela-autoriza-atirar-contra-protesto.shtml .  http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/maduro-decide-mandar-bala-em-manifestantes-nossas-esquerdas-aplaudem/ .  Entendem agora onde fica a opinião pública?  Em outras palavras, as coisas podem acontecer, e a imprensa não publicar ou maquiar.  
O que não é difícil, se a Globo tentou fraudar as eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1982, tentando colocar Moreira Franco no Palácio Guanabara e evitar a posse de Leonel Brizola.  A afinação global com as ditaduras sempre foi tão íntima, que uma vez, procurado por uma autoridade militar que queixava-se de o jornal O GLOBO ter comunistas, o imperador Roberto Marinho respondeu-lhe: "O senhor cuida dos seus comunistas, e eu cuido dos meus."
Dentro deste contexto, entretanto, os que respaldam Dilma não vislumbram ainda outros riscos: ela pode mais tarde fechar o Congresso, fazer valer a lei de regulação da mídia que prometeu em sua campanha de 2014, assim como Ernesto Geisel fechou o parlamento e impôs a Reforma do Judiciário.  Assim V. Excia. calaria as oposições, os veículos de comunicação e ainda de sobejo poderia  limitar em muito a liberdade de ação e movimento do Judiciário.
Há porém uma diferença dos dias de hoje em relação aos tempos da ditadura.  Naquele tempo o cérebro do regime era o Golbery do Couto e Silva, general de maldade, cultura, brilho e talento político inquestionável, conhecido nas esferas políticas como "o bruxo", pela sua capacidade de articulação e maquiavelismo; e os presidentes militares não cometiam erros políticos crassos que Dilma comete por ser absolutamente despreparada para o exercício da chamada  "arte"  da política.  E ainda pra piorar vamos ter por detrás da cena, no lugar do Golbery, o Lula?!  Acho que o regime de exceção que se desenha no horizonte  será muito pior do que o de 1964 a 1984.  Imagine um golbery analfabeto com a batuta na mão?
A possibilidade de golpe é, a meu ver, um plano B que o PT já tem na manga  há muito tempo, porque , ainda em 2013, uma vez conversei com um jornalista petista, e este, além me ter dado um banho de conhecimentos, pelo tom  autoritário com que falou, me fez sentir que o partido fica no poder para sempre, custe o que custar a quem quer que seja.

Barão da Mata